A Brasília amarelo dos Mamonas Assassinas está de volta?

A Brasília amarelo, visto no vídeo do grupo Mamonas Assassinas “Pelados em Santos”, foi atraído para o “Domingo Legal” (SBT) em que 1996 depois que cinco integrantes da banda morreram em um acidente de avião. . . Serra da Cantareira, norte de São Paulo. O vencedor do sorteio levou o prêmio para o Rio de Janeiro, e Brasília foi posteriormente transferida para o pátio por conta dos documentos vencidos. Lá, ele foi abandonado por quase dez anos.

Veja Também

⇒ 
Jaguar Vision Gran Turismo SV o carro que é uma super maquina

⇒ Hyundai Kona: saiba de tudo entre ficha técnica e valores

No final de 2015, membros da família de Aleksander Alves Dinho, resgataram os restos mortais do carro. No segundo ano, como todos sabem, a reparação do veículo foi concluída. Hoje, o velho Volkswagen ainda é muito atraente devido ao amor dos parentes do cantor. De acordo com o pai de Dinho, Hildebrando Alves, de 73 anos, os fãs do Mamonas de todo o Brasil foi para Guarulhos (SP), onde ele mora., tirou fotos perto de Brasília – também participou de eventos, exposições e reportagens. A próxima ação aparecerá em um filme sobre o ritmo acelerado dos músicos.

Você conhece a Brasília amarelo?

 Brasília amarelo

Brasília amarelo (Foto Divulgação)

Segundo Alves, já aposentado, eles já têm todos os recursos: mas por conta da pandemia do covid-19, as filmagens ainda não começaram. O filme é dirigido por Carlos Lombardi (Carlos Lombardi), Anita Barbosa (Anita Barbosa) e Leon Miranda (Léo Miranda), o filme deve ser rodado no ano que vem, a locação é do grupo fundador Guarulhos, e ainda possui uma praça memorial. Ruy Brissac, que interpretou Dinho no “Musical Mona”, fará o papel novamente – Hildebrando permanece um mistério para o resto dos atores.

Há alguns anos, trazer de volta a Brasília foi uma grande emoção. ‘’Sentir falta do meu filho significa muito para mim.’’ Este carro também simboliza o legado de Mamonas Assassinas, que sempre existiu no coração das pessoas e apareceu no cinema. Disse Alves. O pai de Dinho lembrou que sua família doou dinheiro da loteria para instituições de caridade e não cobrou taxas pelas fotos tiradas pelos fãs. Ele estava destinado a deixar o carro com os pertences do neto e do filho, que ficam guardados em uma fazenda em Itaquaquecetuba (SP), como roupas, fotos, adereços, notícias e discos de platina.

 Brasília amarelo

A Brasília amarelo está de volta (Foto Divulgação)

Já o Brasília amarelo, por estar em péssimo estado, é preciso adquirir outro para doar peças e viabilizar, inclusive com troca do chassi. Jorge Santana, sobrinho de Hildebrando Alves, de 47 anos, disse que, mesmo assim, a maior parte dos carros originais estão preservados. A mulher de Santana e Hildebrando e a mãe de Dinho Célia Alves (Célia Alves) dirigem a empresa gestora da marca Mamonas Assassinas. As iniciativas da empresa incluem a participação ativa na concepção do filme e a cooperação com o grupo. Licenciamento de produtos relacionados.

Sem dar muitos “spoilers”, o empresário revela que a cópia restaurada terá protagonismo no próximo filme. ‘Vai ficar muito lúdico. Por exemplo, vai ter uma cena de desmontagem com crianças jogando futebol ao fundo.” Santana lembra da prima, que viu pela última vez no Mamonas-Concerto em Salvador (BA).

‘Ele era uma pessoa muito lúdica e positiva, sabia levar as coisas na vida. Minha tia Célia ainda tem um misto de alegria e tristeza.

Na época já era um carro velho, ele disse com humor que devia ser dirigido com 5 pessoas: uma para dirigir e 4 para empurrar”.

RELACIONADOS

Deixe seu comentário

© 2021 - Revista De Automóvel